O bambu

O Bambu

“Há alguns anos, realizei um treinamento para um grupo de líderes sobre resiliência, lembro que na época abordei o tema através de alguns olhares. Entre tantos conceitos que estudei na época, o que mais me chamou atenção, foi uma metáfora usada em relação ao bambu. O que você conhece sobre o bambu?

Eu conheço, pela força e aprofundamento das suas raízes e a sua flexibilidade, pois possui uma alta capacidade de envergadura e movimento, sem perder o seu eixo, seu estado natural.

Talvez, você esteja aí pensando, que você já sabe sobre o que estou trazendo, já leu sobre, inclusive também já fez um treinamento a respeito, mas a pergunta, que gostaria de deixar a você é, como anda a resiliência em sua vida?

A cada dia, somos cobrados mais e mais por performance, e isto não é novidade para ninguém certo, a questão é como estamos lidando com isto? Talvez, a reflexão principal esteja em pensarmos como realizarmos nossas entregas sem nos deformarmos, perdermos nosso eixo?

Forças e limites

Se o bambu, pudesse falar, talvez ele nos pediria para olhar para a nossa base, nossas raízes, para o que nos nutre e é importante para nós. O que precisamos cuidar em nossa vida, para nos dar força, para conseguirmos ter sustentação o suficiente para lidarmos com as adversidades e pressões da vida. Cada um terá a sua resposta, eu poderia dizer, família, amigos, espiritualidade, entre outros, mas cada um possui o seu alicerce, então não posso dizer por você, conecte-se e pense o que é essencial, o que não abre mão.

Flexibilidade, também é uma marca do bambu, e com isto, ele traz a importância do limite, do autoconhecimento, pois ele se flexibiliza o suficiente para lidar com o contexto, identificando até onde pode ir, para não se deformar, não rachar. E você, sabe qual o seu limite? Uma das formas de reconhecermos, ou termos sinais está na nossa saúde mental e física, bem como na saúde das nossas relações, pessoal e profissional.

Novamente, cada um saberá identificar esta resposta, olhando para si, por isto deixo o convite para entrar em contato com as suas necessidades e limites, para que assim, consiga conquistar resultados sustentáveis e saudáveis para a dimensão pessoal e profissional da sua vida.” Andressa Miiashiro.

http://agecefsp.org.br/jornal-edicao-10.pdf

Texto publicado no Jornal Gestores em Pauta da AGECEF (Associação dos Gestores da Caixa Econônica Federal) em Agosto de 2016)